segunda-feira, junho 04, 2007

O GRANDE PROBLEMA DA RELIGIÃO!


Antigamente, uma pessoa que se iniciava, antes tinha toda uma vida social ativa dentro de sua roça. Existia o estágio de Abyan, que muitos excluiram de suas vidas. Em determinados casos o tempo de "conhecimento" entre o filho e o zelador levava de 3 a 5 anos podendo ser até mais, nunca menos. Pergunte a uma pessoa de uma casa tradicional se ela entrou pra casa fazendo santo. Não se assuste se a pessoa ler disser o tempo que esperou, pois assim era o correto. Costumo dizer: vida de santo é igual a casamento, vc tem de paquerar, namorar, noiva e casar. Conhecer a casa, o ambiente, as pessoas e acima de tudo quem vai colocar a mãozinha no seu Orí e acima de tudo uma responsabilidade. Hoje em dia as pessoas vão a um toqu de Exu conhece o Exu da Casa e se apaixona por ele, e entra para casa por causa do exu, mas esquece que não é este exu que vai por a mão em seu Ori (Pelo menos, na minha época não era, não sei hoje em dia). Deve-se primeiro decidir se aquilo é o que quer, se aquele axé lhe condiz, se concorda com o zelador, essas coisas. O Abyan é uma fígura muito importante, serão nossos futuros Egbomi. Passar o estágio como Abyan é uma honra que todos devem seguir sem se preocupar com futuros cargos que só ostentam uma falsa posição as pessoas, que muitas vezes não possuem brilho próprio e precisam da religião para "aparecer". Outro fator é o número de casa abertas nos últimos 15 anos. Assustador, é quase o triplo da média anterior onde só se abria casa com cargo e não com dinheiro no melhor estilo pagou, levou. Esse enchimento do mercado causou um sério dano à religião colocando a frente de algumas casas, pessoas no mínimo desqualificadas e na pior das hipóteses, oportunistas que viram no COMÉRCIOBLÉ uma mina de ouro. Os mais velhos são os mais bem tratados, porém aqui viram um produto da chantagem dos maus zeladores. Não me cabe aqui citar nomes, mas, há muito deles entre os ditos "grandes" sacerdotes da religião, que não passam de aporveitadores que quiseram compensar sua falta de saber e de amor ao Orisa "comprando" esses mesmos mais velhos. Ai eu pergunto: De quem é a culpa?
Existe pessoa viciada em candomblé, eu dou o apelido que meu pai sempre fala: AXE DE KADINHO (um cadinho daqui, um cadinho dali).CONHECO CASOS DE PESSOAS QUE JAMAIS PODERIAM ESTAR COM UM CANDOMBLÉ ABERTO... EM TRADICIONAL ASÉ. Duas categorias que estão acabando no Candomblé...O Abiã e a Mokotona. O primeiro, porque os Zeladores pegam "gente a laço na rua" e colocam no interior da casa e raspam. O segundo, porque todo mundo de uns anos pra cá nasceu com cargo de Zelador. Pergunte a uma pessoa nova de santo que vc não conhece, a resposta sempre ele tem, mas cinco anos, ninguém, mas tem ano, dois ans, três anos de santo, acho que estão nascendo com cinco agora.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home